Buscar
  • Laila Rotter Schmidt

Papo com Tais Cristina - São Paulo Arquitetos

Atualizado: 21 de Jan de 2019


A Tais foi uma indicação do grupo Arquitetas Invisíveis, nossas parceiras na realização do Concurso 028 Monumento à Memória Feminina. A quantidade de concursos que ela e sua equipe conquistaram é impressionante. Seu escritório - São Paulo Arquitetos - e os seus projetos são referência importante para os arquitetos e arquitetas na atualidade.


É sempre uma alegria conhecer profissionais que fazem a diferença, pois o contato é sempre inspirador. A Tais foi muito acessível e parceira desde a nossa primeira mensagem, aceitando ser jurada no Concurso 028 e se dispondo a compartilhar algumas ideias conosco neste papo. Obrigada, Tais :)


1. Sua trajetória profissional é marcada por muitas premiações em concursos nacionais e internacionais. Porquê o seu escritório participa de Concursos?

Participamos principalmente pela oportunidade de refletir e fazer proposições sobre temas que nos interessam. É muito importante estarmos sempre atentos às discussões que envolvem a arquitetura e o urbanismo, e participar de concursos nos coloca diante dessas questões e nos dão a possibilidade de nos posicionarmos enquanto profissionais e cidadãos.

2. No seu ponto de vista, concursos permitem que vocês tenham ideias diferentes das que vocês teriam para clientes?

O concurso, sem dúvida alguma, lhe dá uma maior liberdade para experimentação. Porém é fundamental a adequada interpretação do edital para que as propostas possam ir ao encontro do que se espera para o lugar.

3. O que mudou pra você depois que começou a ganhar concursos?

Na realidade não muda muito, só reafirma nossa crença de que um bom projeto só acontece com o trabalho exaustivo e dedicado, com o envolvimento de muitas pessoas totalmente comprometidas, cada uma com suas características, mas todas trabalhando por um mesmo objetivo.

4. Na sua opinião qual é a relevância de falar de igualdade entre homens e mulheres, em especial, no que se refere ao mercado da arquitetura?

Já está claro que o gênero em nada interfere nas competências das pessoas. Somos todos diferentes cada qual com suas competências independentemente de sermos homens ou mulheres, e devemos ser reconhecidos e valorizados por essas características. Acredito que o mercado de arquitetura aos poucos está deixando de ter “espaços para homens” e “espaços para as mulheres”, os escritórios estão valorizando cada vez mais a “mistura” tão desejável.

5. Pela sua experiência em Concursos, que dica você daria para os acadêmicos e recém-formados que estão participando do Concurso.

Antes de qualquer coisa eu diria para mergulharem de cabeça no entendimento do tema e do lugar. Aproveitem a oportunidade para estudar e conhecer coisas novas. Formem grupos com pessoas que se conhecem e se respeitam, e que tenham liberdade para discutir abertamente todas as questões relativas ao projeto.


TAIS CRISTINA DA SILVA é arquiteta e urbanista pela Faculdade e Arquitetura e Urbanismo da Universidade Presbiteriana Mackenzie (2004) e pós-graduada pela mesma universidade no curso Projeto de Arquitetura na Cidade Contemporânea (2012). Trabalhou durante 9 anos no Biselli + Katchborian Arquitetos, do qual foi sócia entre 2009 e 2012. Atuou na concepção, desenvolvimento e coordenação de projetos em diversas áreas e escalas. Desde 2013 é sócia de Paulo Roberto dos Santos Barbosa no escritório São Paulo Arquitetos. Conquistou o 1º lugar no Concurso Público Nacional para a Sede IAB/DF + CAU/BR (2016); 3º lugar no Concurso Público Nacional “Casa da Sustentabilidade” (2015); 3º lugar no Concurso Público Nacional para o Edifício Anexo BNDES (2014), Menção Honrosa no Concurso Internacional Estação Antártica Comandante Ferraz (2013). Com Biselli e Katchborian arquitetos conquistou 1º lugar no Concurso Público Nacional para o Centro Judiciário de Curitiba (2006), 1º lugar no Concurso Público Nacional para o Teatro de Natal (2005) e 1º lugar no Concurso Público Nacional para o Novo Terminal de Passageiros do Aeroporto Internacional de Florianópolis (2004).

0 visualização